Quando Iniciou e as Vantagens da Alimentação Natural para Cães e Gatos

Vou iniciar hoje uma série de 03 artigos para mostrar a você como a alimentação natural é a melhor opção e mais saudável para seu gato.

 

[Artigo #01] Quando Iniciou e As Vantagens Da Alimentação Natural Para Cães e Gatos – Você está aqui

[Artigo #02] As Verdades Sobre As Rações Comerciais Para Cães e Gatos

[Artigo #03] Alimentação Natural Para Cães e Gatos Ganha Adeptos

 

Nesse primeiro artigo você vai descobrir quando iniciou e porque a alimentação natural tem mais vantagens sobre o alimento industrializado.

 

Quando Iniciou?

 

O interesse atual sobre novas alternativas alimentares para cães e gatos, à parte a rações comerciais convencionais, teve inicio devido a um grande recall ocorrido nos Estados Unidos entre março e abril de 2007.

 

Nesta data a empresa canadense Menu Foods, a maior fabricante de rações da América do Norte, anunciou que retiraria do mercado 60 milhões de enlatados para animais. O motivo do Recall foi a morte de 16 animais (oficialmente confirmadas) com falência renal e hepática.

 

alimentos naturais para gatos

 

Neste período, a FDA (Food and Drug Administration), agência responsável pela regulamentação de alimentos e medicamentos nos EUA recebeu mais de 14.000 reclamações sobre animais domésticos com sintomas de perda de apetite, vômitos e apatia, os principais sintomas da intoxicação.

 

O incidente assumiu grandes proporções a partir da identificação do agente causador, o glúten de trigo importado da China e contaminado com melamina (C3H6N6): composto orgânico, comumente produzido a partir da uréia, utilizado na indústria plástica (resina melamina-formaldeído), além de constituir subproduto de vários pesticidas, inclusive da ciromazin.

 

Fontes de nitrogênio não protéico (NNP), principalmente a uréia, são utilizadas em nutrição de animais ruminantes, que convertem o nitrogênio (N) em proteína, através da atividade bacteriana ruminal.

 

Animais monogástricos não são hábeis em utilizar o NNP, sendo essas fontes incomuns na indústria pet food.

 

Diante de problemas de segurança alimentar e da preocupação com alimentos de qualidade que atendessem as necessidades nutricionais dos animais de companhia, começaram a surgir no mercado produtos diferenciados com o apelo de “naturais”.

 

Além disto, mundialmente, o número de marcas de dietas comerciais prontas para o consumo é crescente, com formulações cada vez mais sofisticadas e específicas (Steiff & Bauer, 2001). Segundo Carciofi (2008), estabeleceu-se, com isso, elevada competitividade, o que tem levado à segmentação de produtos que apresentam padrões comerciais e nutricionais distintos.

 

Desta forma, numerosos novos nichos estão ascendendo a posições privilegiadas no mercado PET global: alimento fresco resfriado, alimento cru, alimentos orgânicos; cru; orgânico; livre de grãos (grain free); ingredientes com padrão de qualidade humano; natural; ingredientes exóticos; “superpremium“; “ultrapremium“; refeições caseiras enriquecidas com suplementos; dietas a base de carne (carne-centric) e a base de proteínas (protein-focused), além de dietas de nicho como: saúde da pele e pêlo, saúde intestinal, saúde bucal, saúde do trato urinário, animais senis, animais atletas, treinamento de filhotes entre outras (Phillips, 2007a).

 

Sean Delaney (DVM, DACVNwww.dvmconsulting.com), citado por Phillips (2007a), quando indagado sobre novos nichos, foi categórico em afirmar: “antecipo um crescimento no número de alimentos denominados como naturais ou orgânicos pelo consumidor.

 

Além disso, alimentos que utilizam ingredientes modernos continuarão sendo um nicho popular. Muito deste crescimento será norteado por pesquisas em genômica nutricional conduzindo a um desenvolvimento de alimentos para raças específicas e até mesmo baseados nas necessidades genéticas de cada indivíduo”.

 

Outro fator pontuado por Delaney para que estes novos nichos se sobressaiam é a confiabilidade do proprietário em produtos apresentados como naturais, quando comparados àqueles rotineiramente encontrados no mercado padrão.

 

Neste sentido, esta revisão avalia a dieta natural como um novo nicho de mercado, apresentando seus conceitos, vantagens e desvantagens.

 

Alimentos naturais

 

Segundo os consumidores, benefícios ambientais e de saúde são os principais fatores para a aquisição desses tipos de produtos.

 

gato perplexo

 

A procura por exclusividade no setor pet food, combinada com uma tendência permanente de humanização na indústria pet, provoca um aumento da procura por alimentos diferenciados para animais de estimação.

 

Embora alimentos pet orgânico, natural e holístico sejam temas recorrentes sobre as tendências na indústria alimentar animal, as possibilidades reais estão sendo avaliadas e debatidas.

 

O número de fabricantes de alimentos para animais de estimação que estão iniciando nesse mercado e o perfil dos proprietários que se associam a esses tipos de produtos, em um nível estratégico, estão aumentando rapidamente (Groot & Schreuder, 2009).

 

Além disso, a compreensão da preferência do consumidor por alimentos livres de ingredientes artificiais, destinados aos seus animais, levou alguns fabricantes para o mercado de produtos naturais.

 

Dentre os tipos de dietas alternativas encontram-se as chamadas dietas naturais e as orgânicas, entre outras.

 

Dietas não convencionais são definidas amplamente para incluir alternativas que não são compreendidas como alimentos comerciais típicos para animais de estimação, como “dietas naturais“, dietas com alimentos crus e dietas vegetarianas, etc (Michel, 2006).

 

A designação “natural”, por exemplo, abrange os alimentos sem produtos químicos e sem conservantes artificiais.

 

Segundo a The European Pet Food Industry Federation, FEDIAF, uma definição mais estrita seria: componentes dos alimentos para animais de estimação sem eventuais aditivos e que apenas tenham sido submetidos a um processamento para torná-los aptos para produção pet food e a manutenção do conteúdo de todos os nutrientes essenciais.

 

Como exemplos de processamento podem ser citados: congelamento, concentração e pasteurização (Groot & Schreuder, 2009).

 

Porém, uma dieta natural, proposta por Billinghurst (1993), é comumente referida como dieta BARF, acróstico de “bone and raw food“, ou “biological aproprieted raw food” (ossos e alimentos crus), composta por alimentos de origem animal crus, juntamente com vegetais.

 

Segundo Freeman & Michel (2001), as dietas ou os alimentos crus podem ser separados em três categorias básicas:

 

(1) as dietas com alimentos crus completas (balanceadas), vendidas tipicamente congeladas; reivindicam serem completas e equilibradas, sujeitas ao regulamento pela American Association of Feed Control Officials (AAFCO);

 

(2) as dietas completas caseiras com alimento crus, que exigem o preparo da receita pelo proprietário (disponíveis em livros e artigos, bem como na internet); os ingredientes dessas dietas caseiras podem ser completamente variados, dependendo da pessoa que formulou a receita; muitas delas são balanceadas globalmente; entretanto, cada refeição individual pode não ser balanceada…

 

(3) as dietas de combinação que consistem no grão disponível no comércio e suplementam as misturas oferecidas em combinação com a carne crua fornecida pelo proprietário. Estas dietas não são sujeitas à regulamentação.

 

Segundo Cannoli (2008), a AAFCO determina que alimentos naturais para cães e gatos não podem conter corantes artificiais, conservantes artificiais, flavorizantes, aromatizantes e palatabilizantes artificiais, óleos e gorduras sintéticas e umectantes artificiais.

 

Ainda segundo o autor, a decisão pelos alimentos naturais para pets incluem proprietários que queiram um alimento “seguro” para seus animais.

 

As carnes frescas mais comumente utilizadas são galinha e peru, carne mecanicamente desossada destinada à indústria de salsicharia humana, carne de boi, cordeiro, carne de porco e peixe e também carnes exóticas como búfalo, canguru, carne de veado e de pato.

 

 

As Vantagens dos alimentos naturais

 

dieta natural para gatos

 

Segundo Billinghurst (1993), a dieta crua corretamente formulada é a mais completa e balanceada possível“, pois provê todos os nutrientes essenciais conhecidos e, ao contrário de monodietas, não apresenta erros sistemáticos com relação a excessos ou carências nutricionais que ainda podem ser desconhecidas ou pouco estudadas e não sabemos aproximadamente”.

 

Ainda segundo o autor, uma dieta natural crua apresenta: níveis apropriados de sódio e potássio; equilíbrio em cálcio e fósforo; enzimas e probióticos; antioxidantes biologicamente apropriados e outros nutrientes protetores; nenhuma substância química artificial, como colorantes, condimentos ou preservativos; baixos níveis de carboidratos, baixos níveis de cloretos e de grãos; nenhum processamento por calor, responsável por perdas de nutrientes como vitaminas e desnaturação protéica, além da formação de produtos indisponíveis via reação de Maillard.

 

França (2009) avaliou alguns parâmetros de qualidade em dietas naturais comparados á dietas convencionais para cães e encontrou altos valores de digestibilidade em dietas cruas in natura ou submetidas a aquecimento.

 

As dietas compostas por carne de frango apresentaram digestibilidade mais elevadas que aquela composta por carne bovina crua, entretanto o aquecimento tornou os valores de digestibilidade da dieta a base de carne bovina semelhante (>0,05) aos demais tratamentos naturais.

 

Vamos continuar agora para o próximo artigo…

 

Este artigo ficou um pouco longo e com bastante termos técnicos, mas você já percebe que esclarece algumas vantagens da alimentação natural em relação a uma dieta industrializada.

 

No segundo artigo dessa série eu preparei pra você o que vários Doutores da Medicina Veterinária diz sobre as rações comerciais para cães e gatos, quais os ingredientes utilizados na sua fabricação e o processo utilizado.

 

Aqui está o link para o segundo artigo dessa série:

 

[Artigo #02] As Verdades Sobre As Rações Comerciais Para Cães e Gatos

 

Antes de ir para o próximo artigo clique nos botões de compartilhamento do lado direito do site ou no topo desse artigo para que mais pessoas também se beneficiem com essas informações. Leva apenas alguns segundos! Obrigado!

 

 

Referências

Retirada do site http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-35982010001300007#t1

Aldrich, G. Componentes com questões regulatórias. In: Kvamme, JL; PHILLIPS, TD (Eds.) Tecnologia de alimentos para animais domésticos . Mt Morris: Watt, 2003. p.157-162. [  Links  ]

BAUER JJE metabolismo de ácidos graxos essenciais em cães e gatos. Revista Brasileira de Zootecnia , v.37, p.20-27, 2008 (Supl. Especial). [  Links  ]

Billinghurst, I. Dê a seu cão um osso . Alexandria, Austrália: Ponte Printery, 1993. [  links  ]

BORGES, F.M.O. Utilização do sorgo em alimentos para animais de estimação. In: SIMPÓSIO SOBRE INGREDIENTES NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL, 2., 2002, Uberlândia. Anais… Campinas: CBNA, 2002. p.39-48.         [ Links ]

ALCARAVIA, CT; SCOTT, AE; Roberts, NC et al. Salmonelose em cães sentinelas. Journal of the American Veterinary Medical Association , v.135, n.16, p.599-602, 1959. [  links  ]

CARCIOFI, A.C. Fontes de proteína e carboidratos para cães e gatos. Revista Brasileira de Zootecnia, v.37, p.28-41, 2008 (supl. especial).         [ Links ]

Chengappa, MM; Staats, J .; OBERST, RD et al. Prevalência de Salmonella em carne crua usado em dietas de galgos de corrida. O Journal of Veterinary Diagnostic Investigation , v.5, n.3, p.372-377, 1993. [  links  ]

DAZINS, DA Petfood avaliação da qualidade tipos e manejo alimentar. In: Kvamme, JL; PHILLIPS, TD (Eds.) Tecnologia de alimentos para animais domésticos . Mt Morris: Watt, 2003. p.68-73. [  Links  ]

DENARDIN, C.C.; SILVA, L.P. Estrutura dos grânulos de amido e sua relação com propriedades físico-químicas.Ciência Rural, v.39, n.3, p.945-954, 2009.         [ Links ]

Dierenfeld, ES; Graffam, WS [1996]. Nutrição Manual e rações para animais selvagens em cativeiro (exemplos de animais da América Latina). Disponível em: < http://zcog.org/ ZCOG% 20frames / mainspan . [  Ligações  ]>

Finley, R .; REID-SMITH, R .; WEESE, implicações JC Saúde Humana dos deleites naturais do animal de estimação contaminado com salmonela e alimentos crus para animais. Clinical Infectious Disease , v.42, n.5, p.686-691, 2006. [  links  ]

Finley, R .; RIBBLE, C .; ARAMINI, J. et ai. O risco de derramamento salmonelas por cães alimentados com dietas comerciais de alimentos crus contaminados por Salmonella. A Canadian Veterinary Journal , V.48, n.1, p.69-75, 2007. [  links  ]

Food and Drug Administration. Manual de analítica bacteriológica . 7.ed. Arlington: Association of Official Analytical Chemists International, 1992. [  links  ]

FRANÇA, J. Alimentos convencionais versus naturais para cães adultos. 2009. 93fp. Tese (Doutorado em Zootecnia) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG.         [ Links ]

FREEMAN, L .; MICHEL, KE Avaliação de dietas de alimentos crus para cães. Journal of the American Veterinary Medical Association , v.218, p.705-709, 2001. [  links  ]

FREEMAN, L .; MICHEL, K. Avaliação de dietas de alimentos crus para cães. Journal of the American Veterinary Medical Association , v.218, n.5, p.705-709, 2001. [  links  ]

CE VERDE. Salmonelose. In: ___ As doenças infecciosas de cães e gatos . 2.ed. Philadelphia: WB Saunders, 1990. p.235-240. [  Links  ]

GROOT, J.; SHREUDER, W. Biological, naturally logical. Amsterdam: AFB International, 2009. Disponível em: <www.afbinternational.com/images/upload/ biological,%20naturally%20logical.pdf>. Acesso em: 20/4/2009.         [ Links ]

HACKENBURGER, M .; Atkinson, J. Os digestibilidade aparente de tigres cativos ( Panthera tigris spp.) . Chicago: Lincoln Park Zoo, 1983. [  links  ]

JOFFE, DJ; SCHLESINGER, avaliação DP preliminar do risco de infecção por Salmonella em cães alimentados com dietas de galinha crus. A Canadian Veterinary Journal , V.43, n.6, p.441-442, 2002. [  links  ]

Kvamme, JL; PHILLIPS, TD tecnologia de alimentos para animais domésticos . Mt Morris: Watt, 2003. 576p. [  Links  ]

Kwaga, JKP; ADESIYUN, AA; Abdullahi, SU et al. Prevalência de salmonelas, Shigella e plesiononas shigelloides em cães em Zaria, na Nigéria. British Journal Veterinária , v.145, n.2, p.174-177, 1989. [  links  ]

LEJUNE, JT; HANCOCK, DD preocupações com a saúde pública associados à alimentação dietas de carne crua para cães. Journal of the American Veterinary Medical Association , v.219, n.9, p.1222-1225, 2001. [  links  ]

MICHEL, EK dietas não convencionais para cães e gatos. Os Clínicas Veterinárias da América do Norte : Pequeno prática animal, v.36, n.6, p.1269-1281, 2006. [  links  ]

Morse, EV; DUNCAN, MA; ESTEP, DA et al. Salmonelose Canine:. Uma revisão e relatório de cão para filho transmissão de Salmonella enteritidis American Journal of Public Health , v.66, n.1, p.82-84, 1976. [  links  ]

PHILLIPS, T. [2007a]. Finding your next niche. Disponível em:http://www.petfoodindustry.com/ViewArticle.aspx?id=11348 Acesso em: 10/6/2008.         [ Links ]

PHILLIPS, T. [2007b]. Benefiting from novel ingredients. Disponível em: <http://www.petfoodindustry.com/viewarticle .aspx?id=11602> Acesso em: 10/6/2008.         [ Links ]

PHILLIPS, T. [2007c]. Raw petfood: risky or right? Disponível em: <http://www.petfoodindustry.com/ViewArticle.aspx?id= 13538> Acesso em: 10/6/2008.         [ Links ]

ROSE, BE; HILL, WE; UMHOLTZ, R. et ai. Testes para Salmonella em produtos de carne e aves brutos recolhidos em estabelecimentos inspecionados pelo governo federal nos Estados Unidos, de 1998 a 2000. Journal of Food Protection , V.65, n.6, p.937-947, 2002. [  links  ]

SAAD, F.M.O.B.; DUARTE, A.; SAAF, C.E.P. et al. Aspectos técnicos-comerciais e avaliação da qualidade de alimentos para cães e gatos. Lavras: UFLA/FAEPE, 2005. 105p.         [ Links ]

SAAD, F.M.O.B; JOSÉ, V.A. Novas tendências nos alimentos comerciais de cães e gatos: naturais, orgânicos e livres de grãos (grain-free). In: PET FOOD FORUM-PET SOUTH AMERICA, 2008, São Paulo. Anais… São Paulo: Petfood, 2008. 45p.         [ Links ]

SAAD, F.M.O.B.; SAAD, C.E.P. Formulação de dietas para cães e gatos. Lavras: UFLA/FAEPE, 2004. 253p.         [ Links ]

SANCHEZ, S .; HOFACRE, CL; LEE, MD et ai. Animal fontes de salmonelose em humanos. Journal of the American Veterinary Medical Association , v.221, n.4, p.492-497, 2002. [Links]

SOUSA, R.V.; MATA JR., J.I.; RIBEIRO, P.A.P. et al. Bioquímica aplicada à nutrição de cães e gatos. Lavras: UFLA/FAEPE, 2004.         [ Links ]

Steiff, EL; BAUER, adequação JE nutricional de rações formuladas para animais de companhia. Journal of the American Veterinary Medical Association , v.219, n.5, p.601-604, 2001. [Links]

STONE, GG; Chengappa, MM; OBERST, RD et al. Aplicação da reação em cadeia da polimerase para a correlação de sorovares de Salmonella recuperou de fezes de galgos com a sua dieta. Journal of Veterinary Diagnostic Investigation , v.5, n.3, p.378-385, 1993. [  links  ]

TABELA DE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS – U.S. [2001]. Department of Agriculture, Agricultural Research Service. USDA Nutrient Database for Standard Reference. Release 14.disponível em:http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/, Acesso em: 5/6/2004.         [ Links ]

TREVIZAN, L.; KESSLER A.M. Lipídeos na nutrição de cães e gatos: metabolismo, fontes e uso em dietas práticas e terapêuticas. Revista Brasileira de Zootecnia, v.38, p.15-25, 2009 (supl. especial)        [ Links ]

WEESE, JS; ROUSSEAU, J .; Arroyo, de avaliação L. bacteriológica de canina e felina comercial dietas cruas. Canadian Veterinary Journal , V.46, n.6, p.513-516, 2005. [  Links ]

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

One Comment

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.